Justiça mantém suspensão de conselheiros da OI

O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, manteve a suspensão dos membros do conselho de administração indicados pela Pharol (ex- Portugal Telecom) e pelo fundo Société Mondiale, que até o início do ano concentrava as participações do investidor Nelson Tanure na operadora Oi. A decisão do magistrado foi assinada em 3 de setembro.
Os conselheiros Luis Viana Palha e Pedro Zañartu Leitão (ligados à Pharol) e Hélio Costa (Société Mondiale) foram afastados por Viana em março, atendendo a um pedido do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O magistrado justificou o afastamento dos conselheiros com base na participação de representantes desses acionistas numa assembleia geral extraordinária realizada à revelia da Oi em 7 de fevereiro. Na época, Viana entendeu que a realização da assembleia contrariava uma decisão anterior dele mesmo.
"Naquela oportunidade, tomei essa medida drástica por entender que os fatos praticados pelos acionistas minoritários não deixavam outra opção", justifica o magistrado na decisão proferida na semana passada. Ele acrescentou que o afastamento "buscou assegurar o fiel cumprimento do plano de recuperação judicial aprovado pela maciça maioria dos credores reunidos em assembleia geral de credores (AGC)."
Maior acionista da Oi até a conversão de dívida dos credores em ações, concluída no fim de julho, a Pharol detinha até então 22,24% do capital social da operadora brasileira. A acionista se opõe aos termos do plano aprovado em dezembro do ano passado, principalmente no tocante aos níveis de diluição e às mudanças no sistema de governança da Oi estipuladas no plano de recuperação judicial.
O retorno da Pharol ao conselho de administração da Oi deveria ocorrer - no entendimento dos portugueses - após a operação de conversão ser finalizada. A antiga Portugal Telecom chegou a enviar notificação ao presidente do conselho de administração da Oi - com cópia à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), regulador do mercado brasileiro de capitais - tratando da recondução dos conselheiros afastados aos seus postos.
No entendimento da Pharol, o afastamento deveria terminar com a conversão de dívidas em ações, operação concluída no dia 27 de julho. Mas, de acordo com o juiz Fernando Viana, a suspensão dos conselheiros deverá vigorar "até que seja realizado o aumento de capital, previsto no plano de que trata a decisão", o significa "até que seja realizado o aporte dos R$ 4 bilhões".


Fonte: O Estadão
18/09/2018 11:22:48

 

A direção do SINTTEL-RS acompanha atentamente o avanço da pandemia de COVID-19, a doença causada pelo CORONAVÍRUS. Preocupada com os trabalhadores em telecomunicações e, também, com os do Sindicato, decidiu reduzir o horário de trabalho podendo ser reavaliado a qualquer instante, conforme evolução do estado de alerta.

O novo horário é das 10h às 16h15. Este horário é emergencial.

Reafirmamos que estamos à disposição dos trabalhadores e trabalhadoras e orientamos todos que, caso necessitem de informações ou qualquer outra questão, podem enviar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou por telefone, pelo número (51) 3286.9600.

Atenciosamente,

Direção SINTTEL-RS