Mulheres ganham 22% menos do que os homens no País, revela DIEESE

O Rio Grande do Sul está em segundo lugar entre os estados com a maior diferença salarial entre homens e mulheres, com elas ganhando cerca de 28% menos

Os dados do estudo “A inserção das mulheres no mercado de trabalho” feito pelo Dieese, e divulgado no último dia 3, revelam um quadro que avançou pouco e ainda é muito injusto e preocupante.  

Mesmo com maior escolaridade, as mulheres brasileiras (51,7% da população do País), ganham uma média de 22% menos, lideram as taxas de desemprego e passam mais tempo ocupadas com tarefas domésticas do que os homens. Em relação ao salário, na média nacional geral, enquanto elas ganham R$ 1.958,00 por mês, os homens chegam a R$ 2.495,00 para as mesmas funções. O salário mais baixo se reflete no valor das aposentadorias. As mulheres receberam no período analisado benefício 17% menor do que os dos homens.

As mulheres que têm ensino superior suportam uma diferença ainda maior, ganhando 38% menos que os homens, mesmo ocupando os mesmos cargos.

De acordo com o Dieese, as altas taxas de desemprego que vêm sendo registradas no Brasil desde o golpe de 2016 que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, também atingem mais as mulheres (13,1%) do que os homens (10,2%).

O drama é maior ainda entre as que são responsáveis pelo domicílio (cerca de 40% das mulheres), que criam os filhos, pagam as contas e fazem todas as tarefas do lar. Neste grupo, 9,2% das chefes do lar estavam desempregadas no 4º trimestre de 2019, contra 5,1% dos homens.

A pesquisa do Dieese também constatou que a falta de creche é um grande problema para as mães que precisam trabalhar. Das mulheres com filhos em creches, 67% tinham trabalho remunerado. 

Já entre as que não conseguiram matricular os filhos em creches, somente 41% estavam trabalhando no 4º trimestre do ano passado.

O estudo mostra as desigualdades que ainda imperam entre homens e mulheres e atestam a importância da luta das mulheres para a superação das desigualdades e do preconceito.

Para o movimento sindical, o grande desafio é incluir na agenda das categorias, a busca por igualdade no mercado de trabalho, para romper com as diferenças de remuneração e garantir a autonomia econômica para as mulheres.

Veja gráfico do estudo do DIEESE

unnamed

Assessoria de Comunicação

05/03/2020 12:13:29

Rua Washington Luiz, 572 - Centro, Cep 90010-460 Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

O novo horário de atendimento é das 10h às 16h15.

Este horário é emergencial, devido a pandemia.

Estamos à disposição dos trabalhadores, caso necessitem de informações ou qualquer outra questão, podem enviar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou por telefone, pelo número (51) 3286.9600.

Atenciosamente,

Direção SINTTEL-RS